PARADOXO PAULISTANO ARTÍSTICO - TV ARTPONTO - LÍBANO MONTESANTI CALIL ATALLAH






“PARADOXO PAULISTANO ARTÍSTICO”

São Paulo, 02/12/2013

Prezados Senhores:

Muito me surpreendeu, quando uma colega professora e uma de minhas alunas me interloucutaram sobre o fechamento do vão livre do MASP. Eu não esperava, pois não tive notícia nenhuma sobre esse assunto.
Aos domingos trabalho na FEIRA DE ANTIGUIDADES e nada chegou aos nossos ouvidos, digo, dos expositores. À professora respondi que a notícia não procedia, pela lógica, lógico!
Mas à minha aluna resolvi dar um bom trato na resposta. Lembrei-me de um amigo e cliente que me visitava, quando ainda tinha meu escritório no Edifício Conde Andrea Matarazzo, praticamente em frente ao Museu. Na época quem me sedia o espaço era Dr. Dilson Funaro. Não me lembro do nome deste senhor, mas me contava sobre a doação do terreno que pertencia aos seus parentes e antecessores para a construção do prédio que abrigaria o MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO, anteriormente instalado no prédio dos Diários Associados, na Rua Sete de Abril. Uma condição era básica: não poderia impedir que os transeuntes, visitantes ou mesmo que a população local, fossem privados da vista que tinham ao olhar para o centro da cidade, a partir do próprio Belvedere.
Assim considerando essa condição a arquiteta Lina Bo Bardi, passou a elaborar seu projeto, lindíssimo, por sinal, mas não o contrário. Não procede que uma artista do quilate dela, perdesse tempo com uma construção feia em sem a estética condizente.

Outra coisa é a razão que levou a arquiteta a construir o enorme vão livre, depositando todo o peso sobre as quatro colunas vermelhas, conforme me contou o visitante e cliente, era para não sobrar peso sobre os túneis da Avenida 9 de Julho, que passam bem em baixo. 
O prédio é arrojado e belíssimo!
Portanto, dentro deste conceito, nunca seria viável cercar o Belvedere, da Avenida Paulista, as razões são filosóficas e justifica a área aberta sem importar a quem. Se haverá policiamento ou assistência social para drogados e etc., isso é pura especulação. Há órgãos competentes como CONDEFAAT, IPHAN, etc. que impedirão esse absurdo, com certeza.
Cercar o MASP, eu nunca acreditaria neste paradoxo!


Líbano Montesanti Calil Atallah
Diretor de Imagem Pública
WWW.ARTPONTO.COM



COMENTÁRIO À MATÉRIA

PUBLICADA NA

FOLHA DE SÃO PAULO

ABAIXO REPRODUZIDA

02/12/2013 - 03h00
O Masp e a casa da sogra

Há duas semanas o "Estadão" defendeu em seu editorial o cercamento do vão livre do Masp como forma de proteger o museu da ameaça de "viciados", "traficantes", "moradores de rua" e "grupos de manifestantes" que tomaram conta do espaço.
O jornal reverberou declarações do curador do museu, Teixeira Coelho, que, diante da recusa do Instituto do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional em aceitar seu pedido de instalação de grades no vão livre, classificou tal posição como "um atraso".
Outra solução levantada pelo editorial seria "uma ação enérgica" da polícia, "para colocar cada um no seu devido lugar", já que o vão livre se tornou "a casa da sogra", "onde qualquer um faz o que bem entende".
Reportagem da Folha da última sexta-feira estampa barracas de camping ocupando o espaço, servindo de moradia a pessoas sem teto, e reitera a imagem de "abandono" do lugar.
Não é à toa que o Masp se tornou um dos símbolos de São Paulo, além de um dos lugares mais apropriados pelos paulistanos. Poucos são os espaços da cidade que estabelecem uma relação tão bem-sucedida entre o público e o privado, a cultura, a arte e a vida cotidiana dos cidadãos.
Na contramão dos equipamentos culturais desenhados para serem monumentos de celebração a uma arte-mercadoria, glamourizada e identificada com as elites, o Masp nasceu para ser uma espécie de antimuseu, radicalmente aberto para a cidade.
Em filme de 1972, Lina Bo Bardi, autora do projeto, fala sobre o Masp: "[...] minha preocupação básica foi a de fazer uma arquitetura feia, uma arquitetura que não fosse uma arquitetura formal, embora tenha ainda, infelizmente, problemas formais. Uma arquitetura ruim e com espaços livres que pudessem ser criados pela coletividade. Assim nasceu o grande belvedere do museu, com a escadinha pequena. A escadinha não é uma escadaria áulica, mas uma escadinha-tribuna que pode ser transformada em um palanque. Eu quis fazer um projeto ruim. Isto é, feio formalmente e arquitetonicamente, mas que fosse um espaço aproveitável, que fosse uma coisa aproveitada pelos homens".
O vão livre do Masp é, portanto, o próprio museu. E os moradores da cidade, celebrando este belo presente, afirmam todos os dias seu caráter público: heterogêneo e múltiplo, ocupado e povoado por todo e qualquer tipo de gente, de evento e de situação, afirmando ali a dimensão pública da arte, da cultura e da cidade.
Se nos choca e indigna ver o vão do Masp (e outros espaços públicos) ocupado por pessoas viciadas em crack e moradores sem teto, é de políticas públicas decentes de saúde mental, de moradia e de assistência social que necessitamos, com urgência.
Não são as grades nem a repressão policial que vão enfrentar a situação de vulnerabilidade em que se encontram muitos paulistanos. Se eles estão ali, expondo a precariedade e a situação limite de sua existência, é porque, simplesmente, não há nada nem ninguém que os acolha, propondo alternativas reais para essa situação.
A imagem das barracas armadas no Masp só afirma a urgência de implementação de políticas que avancem nesta direção. Uma boa gestão de cidade mantém a qualidade de seus espaços públicos cuidando tanto de seu estado físico de conservação quanto da vulnerabilidade de parte de seus cidadãos.
Se o vão livre do Masp tem sido cada vez mais palco de manifestações, é justamente por acolher de forma tão eloquente uma das reivindicações centrais dos protestos recentes: a necessidade de constituição de uma esfera verdadeiramente pública no Brasil.


 fale com nossa diretoria
LÍBANO MONTESANTI CALIL ATALLAH

DIRETOR DE IMAGEM PÚBLICA
 


ENTRE EM CONTATO CONOSCO

______________________________________________________
______________________________________________________
Líbano Montesanti Calil Atallah